Programa de Desenvolvimento da Alimentação, Confeitaria e Panificação
Home Quem Somos Projetos Contato
Indicadores Publicações Técnicas Notícias Eventos
Minas agora tem queijo de marca
NOTÍCIAS VOLTAR
Minas agora tem queijo de marca
Iguaria típica produzida na Serra da Canastra ganha, a partir de hoje, selo que vai reforçar a identificação geográfica do produto, já conquistada junto ao Inpi. Iniciativa alavanca negócios
por Estado de Minas
17/07/2015

Em busca de agregar valor a um dos produtos mais tradicionais de Minas Gerais, hoje será lançada a marca que distinguirá o queijo produzido na Serra da Canastra dos demais. O novo selo reforça a função da identificação geográfica concedida pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial (Inpi) aos produtores da região, além de dificultar a venda desregrada de outros tipos da iguaria com as mesmas especificidades como se fossem produzidos na Canastra. A ação é a primeira de uma série de propostas em parceria com o Sebrae para difundir a história por trás do queijo.

O queijo produzido na região será comercializado com três identificações: o selo da vigilância sanitária, outro de identificação geográfica e a nova logomarca criada pelos produtores. O primeiro atesta as condições produtivas; o outro garante que o queijo foi feito seguindo as regras certificadas pelo Inpi e o último confirma a origem. Segundo o presidente da Associação de Produtores de Queijo Canastra (Aprocan), João Carlos Leite, a marca vai permitir ao consumidor identificar a origem do queijo. “É como o símbolo da Toyota ou a maçãzinha da Apple”, compara.

Apenas os produtores que tiverem o selo do Inpi poderão solicitar o uso da logomarca. Segundo Leite, no site da associação será possível comprar o queijo de acordo o produtor selecionado. No mais, haverá uma lista com o nome de todos os varejistas credenciados para o comércio do queijo da Serra da Canastra. “Isso diminui o risco de pirataria. A falsificação fica mais difícil”, reforça o presidente da Aprocan.

Outras ações serão adotadas nos próximos meses para difundir o modo de preparo do queijo e outras peculiaridades ligadas à produção e história da iguaria. Segundo o analista da unidade de Agronegócio do Sebrae-MG, Ricardo Boscardo, em julho, um grupo de chefs de Belo Horizonte foi convidado para visitar a região para estreitar laços com os produtores. O mesmo será repetido com proprietários de empórios, professores de gastronomia e outros profissionais de perfis parecidos. Os visitantes que já estiveram nas fazendas produtoras conheceram o modo de preparo do alimento e os locais em que a iguaria é feita. “O objetivo é que o queijo seja tratado como algo que expressa o valor de uma região”, afirma.

Terroir

No mundo da gastronomia, o termo francês terroir é usado para identificar um certo produto desenvolvido segundo as interações entre características física, geográfica, biológica e outras que permitem a criação de algo diferenciado, senão único. No Brasil, tem ganhado espaço com a adoção dos selos de identificação geográfica do Inpi. Em Minas, os cafés do Cerrado (incluindo o café verde) e da Mantiqueira, a cachaça de Salinas, os queijos do Serro e da Canastra, as peças de estanho de São João del-Rei e os biscoitos de São Tiago já conquistaram o título.

No caso do queijo canastra, um dos critérios para o reconhecimento é que a fazenda esteja localizada em Piumhí, Vargem Bonita, São Roque de Minas, Medeiros, Bambuí, Tapiraí ou Delfinópolis. “Não se trata simplesmente de dizer o que é queijo, mas, sim, o que é a alma da Canastra”, afirma o assessor de Planejamento e Projetos da Aprocan, Paulo Henrique de Matos Almeida. Ele considera a obtenção da certificação de indicação geográfica, em 2012, um marco para a organização da cadeia produtiva.

O diretor da 2DA Branding & Design, Daniel Guimarães, afirma que o projeto visa apresentar e reforçar a marca queijo canastra. A criação da marca e do projeto durou 18 meses. Desde 2012, a empresa trabalha em projeto semelhante com o café do oeste da Bahia. “Temos a falsa impressão que é um produto conhecido nacionalmente. Mas, se você chegar em Recife, ele não é conhecido”, afirma Guimarães. Além de se tornar conhecido, todo o processo tem permitido aos produtores agregar valor. O quilo do queijo certificado hoje é vendido até por R$ 40 em supermercados da capital mineira. Antes saia por cerca de R$ 10.

Uma série de 25 vídeos foi desenvolvida pelo Nitro Imagens para retratar a rotina de alguns dos principais produtores da região, ao mesmo tempo em que é contada a história da Canastra. A empresa também elaborou outros dois vídeos – um institucional e outro para reforçar a marca. Todos serão apresentados em um canal do Youtube, no site da associação e nas redes sociais. Os mesmos serão usados em feiras e eventos de gastronomia.

Persistentes

Os produtores do queijo canastra são agricultores familiares, de pequeno porte, com produção média diária de 20 unidades. Com o apoio do Sebrae-MG, eles estão reformulando suas práticas de produção, com os devidos cuidados sociais e sanitários, aprimorando a gestão de seus negócios e conquistando novos mercados.

Com a alma da Canastra

Municípios que terão a origem do queijo comprovada pelo novo selo

» Piumhi (Centro-Oeste)
» Vargem Bonita (Centro-Oeste)
» São Roque de Minas (Centro-Oeste)
» Medeiros (Centro-Oeste)
» Bambuí (Centro-Oeste)
» Tapiraí (Centro-Oeste)
» Delfinópolis (Sul de Minas)

 
 
 
CLIPPING DAPANIFICAÇÃO
BRASILEIRA
Acompanhe semanalmente o compilado de notícias sobre o setor de panificação e confeitaria
NEWSLETTER PANIFICAÇÃO EM REDE
Acompanhe as últimas novidades do convênio ABIP/ITPC/SEBRAE
 
 
CONTATO
ESCRITÓRIO CENTRAL BELO HORIZONTE
Rua Espírito santo, 1204 - 10º andar - centro 30160-031 - Belo Horizonte/MG
(31)2101-9999
propan@propan.com.br
RECEBA NOSSA NEWSLETTER
 ASSINE